Especialização: a diferença que faz diferença

Artigo publicado na Folha de S. Paulo – Caderno 4-Imóveis (p. 6)
Data: 08.07.1997 (terça-feira)
Autor: Waldir de Arruda Miranda Carneiro

Versão impressa:

1997-07_EspecializaçãoADiferençaQueFazDiferença_EDITADO

Versão em texto:

ESPECIALIZAÇÃO: A DIFERENÇA QUE FAZ DIFERENÇA

Nos últimos anos, tem-se verificado uma crescente tendência de especialização dos serviços jurídicos, a exemplo do que ocorreu em outras áreas de prestação de serviços relativas a profissões liberais, como na medicina, na engenharia, etc.

Tal fato, afinal, tem razões bastante compreensíveis: com a progressiva dinâmica do direito, acompanhando as constantes mutações das relações sociais, não há como se preservar a qualidade e rapidez dos serviços jurídicos sem um direcionamento, cada
vez maior, das atividades de qualquer advogado.

Hoje em dia, é quase impossível advogar à moda antiga, onde o advogado, na sua “banca”, cuidava de processos de toda a espécie, fazendo aquilo que poderíamos chamar de uma “clínica geral”.

Os tempos desse advogado, que tinha uma pequena sala ao lado do fórum da cidade, alguns livros, uma máquina de escrever e seu talento, já fazem parte da história.

Na atualidade, com as divisões e subdivisões, cada vez mais extensas, dos conhecimentos jurídicos, tornou-se imprescindível a reciclagem de informações legais e jurisprudenciais, em períodos cada vez mais curtos, a impor um aprimoramento dos métodos de trabalho utilizados no passado, o que inclui, obrigatoriamente, algum grau de especialização por parte de cada advogado.

O mar de normas legais atualmente em vigor, sua constante modificação, as inúmeras correntes interpretativas do direito, cada vez mais setorizadas e complexas, não mais permitem a repetição dos velhos modelos.

É bem verdade que um advogado deve possuir um preparo geral, que inclua uma boa noção de todas as matérias básicas do direito, e rudimentos de todos os seus ramos, contudo, seu aprofundamento, bem assim suas atividades, devem se concentrar numa área relativamente restrita, se quiser prestar serviços de nível elevado aos seus clientes.

Por isso mesmo, os grandes escritórios de todo o mundo estão caminhando no sentido de setorizar por áreas e sub-áreas, os seus serviços, criando um valor maior de qualidade: a especialização de seus profissionais. Só ela pode garantir, nos dias atuais, segurança e celeridade às tarefas do advogado.

Mister, pois, renunciar ao apego nostálgico às velhas concepções dos serviços advocatícios para que se possa acompanhar as mutações que a evolução social, jurídica e tecnológica impõem aos que pretendem contribuir de modo efetivo para o aprimoramento comum.


Waldir de Arruda Miranda Carneiro, é advogado em São Paulo, autor do livro “Teoria e Prática da Ação Revisional de Aluguel”, dentre outros, e titular do escritório Arruda Miranda Advogados

112 total views, 1 views today

Esta entrada foi publicada em Notícias (clipping), Publicações, Locação, Jurisprudência, Locação, Artigos, Folha de S. Paulo, Waldir de Arruda Miranda Carneiro e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta