Comodato é camuflagem para Lei do Inquilinato

Artigo publicado na Folha de São Paulo – Caderno 8-Imóveis (p. 4)
Data: 09.03.1991 (Sábado) 
Autor: Waldir de Arruda Miranda Carneiro

Versão Impressa:

(1991-03-09)_ComodadoeCamuflagem

 

Versão em texto:

COMODATO É CAMUFLAGEM PARA LEI DO INQUILINATO

WALDIR A. M. CARNEIRO
Especial para a Folha

As artimanhas para escapar da Lei do Inquilinato não são poucas. Uma das mais comuns é fazer contrato de comodato a fim de encobrir uma locação.

Como se sabe, a locação, que consiste na cessão onerosa e temporária do uso e gozo de coisa não fungível (insubstituível), distingue-se do comodato porque, neste, a cessão é gratuita. No comodato não há o elemento “preço”, que na locação existe com o nome de “aluguel”.

O expediente de camuflagem é simples: as partes assinam um contrato de comodato, e o comodatário (inquilino) adianta o valor dos aluguéis.

As vantagens são evidentes. Enquanto na locação, a retomada se dá através da ação de despejo, no comodato, a ação, para recuperação do imóvel, e a de reintegração de posse, em geral provoca a desocupação imediata do prédio.

Entretanto, se o comodatário quiser, é possível mostrar que ele é inquilino. É só provar em juízo que paga aluguel, o que muitas vezes não é tão difícil quanto pode parecer.


WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO, 26 é advogado pós-graduado pela USP especializado em locação predial.

 

 

48 total views, 1 views today

Esta entrada foi publicada em Notícias (clipping), Publicações, Locação, Artigos, Folha de S. Paulo, Waldir de Arruda Miranda Carneiro, Comodato e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta