O franchising e o direito à renovação da locação

Artigo publicado na Folha S. Paulo – Caderno 9-Imóveis (p. 2)
Data: 02.07.1995 (Domingo)
Autor: Waldir de Arruda Miranda Carneiro

Versão impressa:

(1995-07-02)_OfranchisingeoDireito_EDITADO01

Versão em texto:

O FRANCHISING E O DIREITO À RENOVAÇÃO DA LOCAÇÃO

WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO

O direito à renovação do contrato de locação surgiu entre nós em razão da necessidade de proteção da estabilidade do locatário em certas locações, nas quais se entendia que a atividade por ele exercida valorizava sobremaneira o imóvel locado, de modo que a ausência de tal proteção permitiria o enriquecimento do locador à custa do trabalho do inquilino, sempre que este necessitasse negociar novo prazo contratual.

Para que haja direito à renovação, devem ser preenchidos os seguintes requisitos:

a) a atividade explorada no imóvel locado deve ser comercial, industrial ou empresarial;
b) o contrato tem de possuir forma escrita e estar em vigor por tempo determinado;
c) o contrato, ou a soma dos contratos, deve ter prazo mínimo de cinco anos ininterruptos;
d) o locatário deve estar na exploração da mesma atividade de pelo prazo mínimo e ininterrupto de três anos;
e) o locatário deve ter cumprido rigorosamente o contrato em curso.

Desse modo, verificados esses requisitos, possuem legitimidade para o exercício do direito à renovação o locatário e, de um modo geral, os seus sucessores na relação de locação e fundo de comércio.

Conforme estabelece o parágrafo primeiro do art. 51 da lei n.º 8.245/91, seguindo orientação jurisprudencial que ”aperfeiçoou ” as disposições legais pertinentes no decreto n° 24.150/34, na hipótese de sublocação total do imóvel, o direito à renovação só pode ser exercido pelo sublocatário.


No caso de sublocação total do imóvel, o direito
à renovação só pode ser exercido pelo sublocatário.


O estabelecimento de tais regras teve a intenção de coibir especulações e proteger o verdadeiro detentor e explorador do fundo de comércio que, invariavelmente, costumava ser o sublocatário.

Na atualidade, contudo, a coerência do dispositivo já é bastante discutível em face das relações decorrentes de contrato de franquia, como bem denuncia o renomado advogado João Nascimento Franco (in “Ação Renovatória“, Malheiros, 1994, São Paulo, pp. 74 e seguintes).

Com efeito, se o objetivo da ação renovatória é justamente proteger o fundo de comércio existente no imóvel locado, em boa lógica, não há como negar legitimidade ativa para o franqueador que é  detentor de diversos componentes do fundo de comércio ali explorado.

O judiciário começa a dar sinais de reconhecimento dessa realidade, já tendo por vezes decidido que, ”existindo entre locatário e sublocatário fundo de comércio comum, justifica-se o litisconsórcio entre ambos” (RT 697/105; 586/203).

Realmente, diante do objetivo da proteção renovatória, essa nova orientação pretoriana se mostra bem mais coerente do que a anterior. Em face da dinâmica dos negócios, a fria leitura da letra da lei deve ceder lugar à interpretação integrativa da norma para encontrar soluções que melhor adaptem a intenção do legislador a situações que ele provavelmente não previu.


WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO, 31, advogado em São Paulo, é autor de “Teoria e Prática da Ação Revisional de Aluguel”, entre outros livros.

168 total views, 1 views today

Esta entrada foi publicada em Publicações, Locação, Artigos, Veículo, Folha de S. Paulo, Waldir de Arruda Miranda Carneiro, Franchising, Renovatória e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta